Mês: junho 2015

Emenda da Bancada Evangélica é aprovada

A emenda que pede para retirar qualquer tipo de menção “à ideologia de gênero” no Plano Estadual de Educação, de autoria do deputado Cleiton Collins (PP), foi aprovada pela Comissão de Justiça nesta quarta-feira (17), na Assembleia Legislativa do Estado (Alepe). A matéria tinha sido rejeitada pelo colegiado na terça (16). O Plano de Educação também foi aprovado. Os dois foram votados separadamente por sugestão do deputado Edilson Silva (PSOL). A votação ocorreu no começo da sessão plenária e causou um tumulto na casa.

Os deputados Joel da Harpa (SD) e Adalto Santos (PSB) disseram que se a emenda não fosse aprovada iriam votar contra todo o Plano Estadual de Educação. O socialista, inclusive, tinha dito que a aprovação do Plano é uma “porta aberta para a pedofilia”. Ele repudiou, especificamente, a meta 16.14 do Plano que trata da “formação inicial e continuada dos profissionais de educação, sobre gênero, diversidade e orientação sexual, para a promoção da saúde e dos direitos sociais e reprodutivos de jovens e adolescentes e prevenção de doenças”.

Fonte

blogdbrito.com.br

Na Alepe, evangélicos podem tentar derrubar todo Plano Estadual de Educação

Os deputados evangélicos da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) podem votar contra a aprovação de todo o Plano Estadual de Educação (PEE) se a emenda do deputado Cleiton Collins (PP) que propõe a retirada de todas as menções às questões de gênero do texto não for acatada pelo plenário. O projeto vai à votação nesta quarta-feira (17), e por determinação federal deve ser sancionado até o dia 24.

“A minha pessoa e Pastor Cleiton Collins estamos decididos. Se não aceitar a emenda modificativa nós vamos trabalhar contra e vamos trabalhar com os demais deputados que eu puder para o projeto não ser aprovado e ser devolvido”, revelou o deputado Adalto Santos (PSB), após a reunião da Comissão de Educação da Alepe.

Adalto foi o único integrante da Comissão que votou contra a aprovação do projeto. A deputada Teresa Leitão (PT) e o deputado Edilson Silva (PSOL) garantiram a aprovação do projeto em sua forma original. O deputado Tony Gel (PMDB) presidia a reunião.

Nessa terça (16), uma emenda similar apresentada por Cleiton Collins dividiu a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Com o voto de minerva, a deputada Raquel Lyra (PSB) fez com que o projeto passasse em sua forma original, o que levou Collins a anunciar que faria uma nova emenda no plenário.

“Esse é um projeto que vem de encontro com tudo o que as famílias e os pais desejam. Eles não querem que as crianças sejam ensinadas sexualmente por professores. Ninguém vai a uma escola para aprender sexualidade. Vai aprender a ler, escrever e ter bons costumes. Sexualidade quem ensina é as famílias”, classificou Adalto, que já haavia dito que o documento oficializa a pedofilia e a prostituição.

Para garantir a aprovação do plano, um acordo na Alepe fará com que a sessão desta quarta não tenha pequeno ou grande expediente, iniciando já na votação da ordem do dia. Para a bancada evangélica, o acordo é uma forma de o Governo do Estado aplicar um “rolo compressor” para aprovar o PEE.

 Fonte

Alepe retira menções a gênero do Plano Estadual de Educação, em vitória da bancada evangélica

Sessão da Alepe foi marcada por discussões e pelo clima tenso / Foto: Paulo Veras/Jornal do Commercio

Apenas dez deputados votaram contra a emenda de Cleiton Collins (PP), sessão foi marcada por discussões e pelo clima tenso.

A Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) aprovou nesta quarta-feira (17) a emenda da bancada evangélica que retirou as menções à questão de gênero do Plano Estadual de Educação (PEE), aprovado em primeira discussão também nesta quarta. O documento traz diretrizes, metas e estratégias para a Educação em Pernambuco pelos próximos dez anos.

A emenda da bancada evangélica foi apresentado pelo Pastor Cleiton Collins (PP), o deputado estadual mais votado no Estado na eleição do ano passado. O plano deve ser sancionado pelo governador Paulo Câmara (PBS) até o próximo dia 25, segundo a determinação federal. A sessão foi marcada por discussões e pelo clima tenso. Militantes de movimentos de gênero e grupos evangélicos acompanharam da galeria.

Na Assembleia pernambucana, apenas dez deputados votaram contra a emenda da bancada evangélica: Claudiano Martins Filho (PSDB), Edilson Silva (PSOL), Lucas Ramos (PSB), Priscila Krause (DEM), Rogério Leão (PR), Simone Santana (PSB), Socorro Pimentel (PSL), Teresa Leitão (PT), Tony Gel (PMDB), e o líder do Governo, Waldemar Borges (PSB).

Fonte

Jconline.ne10.uol.com.br