Mês: setembro 2017

Assembleia Legislativa: Pastor Cleiton Collins registra retomada da TV Alepe

A retomada da transmissão televisiva das atividades da ALEPE foi comemorada pelo deputado Pastor Cleiton Collins. A Reunião Plenária começou a ser exibida ao vivo pela internet, e um resumo das atividades poderá ser visto na TV aberta pela TV Alepe (canal 28.2), na Região Metropolitana do Recife e pela TV Pernambuco no Interior do Estado (canal 46).

Pastor Cleiton Collins registra retomada das atividades da TV Alepe

A retomada da transmissão televisiva das atividades da Assembleia Legislativa foi comemorada pelo deputado Pastor Cleiton Collins (PP), no Pequeno Expediente. A partir desta segunda (25), a Reunião Plenária começou a ser transmitida ao vivo pela Internet, e um resumo dos trabalhos poderá ser visto na TV aberta a partir desta terça (26),  pela TV Alepe (canal 28.2), na Região Metropolitana do Recife; e pela TV Pernambuco (canal 46), no Interior do Estado. A iniciativa é resultado da parceria firmada, em julho deste ano, entre a Assembleia e a Empresa Pernambuco de Comunicação (EPC).

“Quero parabenizar a Mesa Diretora por mais essa grande conquista. A TV Alepe chega em um momento especial para a Casa, junto com a construção do novo Plenário”, falou o parlamentar. “Todos os pernambucanos podem agora acompanhar o trabalho feito pelos seus deputados, por meio desse veículo”, ressaltou.

O resumo das reuniões será exibido no programa Plenário Alepe, que terá duração de 25 minutos, de terça a sexta, às 8h15, com reprise às 13h30. Nas segundas, esses horários serão ocupados pelo programa Em Discussão, que trará entrevistas com deputados e especialistas sobre temas relacionados ao Legislativo pernambucano. Também serão veiculados interprogramas de 60 segundos sobre as atividades da Casa.

Fonte

Alepe.gov.pe.br

Liminar que autoriza terapias de reversão sexual repercute no Plenário

A liminar concedida por um juiz do Distrito Federal permitindo a oferta de terapias de reversão sexual, popularmente conhecidas como “cura gay”, foi comentada pelos deputados Isaltino Nascimento (PSB) e Pastor Cleiton Collins (PP), na Reunião Plenária desta terça (19). O líder do Governo foi à tribuna repudiar a decisão do magistrado, avaliada por ele como “coberta de preconceito e ignorância”. Em contrapartida, Collins avaliou que a proibição do tratamento representa “censura” à atuação profissional dos psicólogos e fere o livre arbítrio dos que desejam se submeter ao método.

A decisão em questão, conferida pelo juiz federal Waldemar Cláudio de Carvalho, atendeu a uma ação movida por um grupo de psicólogos, que pediu a suspensão de uma resolução do Conselho Federal de Psicologia, de 1999. O documento proíbe a oferta desse procedimento, uma vez que a proposta de tratamento confere um caráter patológico à homossexualidade.

Para Nascimento, a decisão é um “retrocesso” e contraria não apenas o Conselho de Psicologia, mas o entendimento da Organização Mundial de Saúde (OMS). “O posicionamento da entidade, há mais de 30 anos, é contrário à visão da homossexualidade como doença e em defesa do respeito à orientação sexual dos indivíduos”, pontuou.  A expectativa do parlamentar é que a liminar seja revogada por instâncias superiores. “Não podemos deixar que se oficialize um absurdo como esse, que demonstra como o debate religioso está prevalecendo na sociedade”, acrescentou.

Já no Grande Expediente, Collins defendeu o caráter técnico da liminar. “A Resolução do Conselho de Psicologia restringe a liberdade científica e faz censura aos profissionais, pois impede o atendimento de pacientes que, voluntariamente, buscam resolver seus conflitos referentes à orientação sexual”, posicionou-se. Ainda segundo o parlamentar, a decisão do magistrado é acertada, porque “não se pode proibir o aprofundamento dos estudos científicos na área”.

O discurso do progressista recebeu apoio dos deputados Adalto Santos (PSB), Dr. Valdi (PP) e Odacy Amorim (PT). “O ser humano tem que ter livre arbítrio para ser tratado como ele achar melhor”, disse Santos. “A resolução do Conselho de Psicologia está ultrapassada e precisava ser revista”, acrescentou Dr. Valdi. Para Amorim, é preciso garantir o direito daqueles que têm interesse no tratamento. “Quem quer auxílio de um psicólogo para isso, que busque esta alternativa. A imposição de entendimentos que estão querendo fazer no Brasil não traz benefícios”, alertou.

Também em aparte, a deputada Teresa Leitão (PT) divergiu de Collins e informou aos demais parlamentares sobre o entendimento da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, que, pela manhã, defendeu a promoção de um debate mais aprofundado sobre o tema na Casa. “O Conselho de Psicologia não proíbe ninguém de procurar um psicólogo ou inibe qualquer profissional de atender. Na verdade, o documento alerta que a homossexualidade não pode ser tratada como doença”, concluiu.

Fonte

Alepe.gov.pe.br

Pastor Cleiton Collins repudia amostra de artes no espaço Santander Cultural

Parlamentares usaram a tribuna, nesta quarta (13), para registrar repúdio contra mostra de arte encerrada após acusações de apologia à pedofilia e à zoofilia ganharem corpo nas redes sociais. Com o tema Cartografias da diferença na arte brasileira. 

Pastor Cleiton Collins (PP) fez críticas ao patrocinador da exposição. “Todas as religiões tiveram seus símbolos atacados de forma grosseira, com palavras de baixo calão. Não sei aonde o Santander queria chegar.” Para o parlamentar, o fato foi uma “aberração”. “Só posso lamentar e deixar meu repúdio para que os artistas mudem sua ideologia de pintura”, frisou.

A exposição acontecia em Porto Alegre (RS), no espaço Santander Cultural, com incentivos do Ministério da Cultura, e foi fechada nesta semana, um mês antes do previsto.

Deputados repudiam exposição cancelada após polêmica nas redes sociais

Parlamentares usaram a tribuna, nesta quarta (13), para registrar repúdio contra mostra de arte encerrada após acusações de apologia à pedofilia e à zoofilia ganharem corpo nas redes sociais. Com o tema Cartografias da diferença na arte brasileira, a exposição acontecia em Porto Alegre (RS), no espaço Santander Cultural, com incentivos do Ministério da Cultura, e foi fechada nesta semana, um mês antes do previsto.

Adalto Santos (PSB) disse se sentir envergonhado em descrever os detalhes dos quadros exibidos e afirmou duvidar dos rumos do Brasil quando “o País está mergulhado na imoralidade, e o Governo Federal patrocina a promiscuidade”. “Perdi o sono ao ler a notícia. As imagens são muito fortes”, comentou, registrando apelo, “em nome da família”, para que o Governo de Pernambuco se posicione contra a realização de eventos culturais semelhantes no Estado.

Pastor Cleiton Collins (PP) acompanhou o posicionamento do socialista e fez críticas ao patrocinador da exposição. “Todas as religiões tiveram seus símbolos atacados de forma grosseira, com palavras de baixo calão. Não sei aonde o Santander queria chegar.” Para o parlamentar, o fato foi uma “aberração”. “Só posso lamentar e deixar meu repúdio para que os artistas mudem sua ideologia de pintura”, frisou.

Fonte

Alepe.pe.gov.br