Categoria: Destaque

Líderes evangélicos convocam jejum contra legalização do aborto

O Supremo Tribunal Federal (STF) iniciou na manhã desta sexta-feira (3) a primeira audiência pública para debater a legalização do aborto, respondendo a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 442 apresentada pelo PSOL.

O texto pede que o STF exclua do âmbito de incidência dos dois artigos a interrupção da gestação induzida e voluntária realizada nas primeiras 12 semanas, “de modo a garantir às mulheres o direito constitucional de interromper a gestação, de acordo com a autonomia delas, sem necessidade de qualquer forma de permissão específica do Estado, bem como garantir aos profissionais de saúde o direito de realizar o procedimento”.

Diante dos riscos de uma possível liberação da interrupção da gravidez, líderes religiosos, que acreditam que a vida começa na concepção e que o aborto é assassinato, convocoram os cristãos para uma campanha de jejum de oração.

O reverendo Augustus Nicodemus Lopes, da Igreja Presbiterina do Brasil, compartilhou em suas redes sociais o pedido de oração feito pela Associação Nacional de Juristas Evangélicos (ANAJURE), que já enviou um documento aos STF apresentando seu posicionamento, baseado na lei, para que o aborto não seja legalizado.

O pastor Cleiton Collins, deputado estadual em Pernambuco, também gravou um vídeo pedindo para que os cristãos se unam em oração contra essa ameaça. “Nós entendemos a vida começa na concepção, então pedimos a você que ore, pois neste exato momento no STF tem os defensores do aborto e aqueles que não concordam”, declarou ele sobre a audiência pública.

A audiência durará todo o dia e na próxima segunda-feira (6) uma nova audiência será realizada para que os ministros do STF possam levar em consideração todos os lados para então proferir uma decisão.

Fonte

Jmnoticia.com.br

Cleiton Collins comemora Dia Internacional da Família

Comemorado nesta terça (15), o Dia Internacional da Família motivou pronunciamento do deputado Pastor Cleiton Collins (PP) no Plenário. O parlamentar parabenizou os pernambucanos pela data. “A família é a instituição maior de toda a humanidade, o nosso porto seguro. Desde a criação, Deus estabeleceu a família porque sabia que não era bom que o homem estivesse só”, comentou.

Em apartes, outros parlamentares ressaltaram a relevância da data. “Hoje, a sociedade está direcionada a um modelo de família que Deus não criou”, afirmou Odacy Amorim (PT). “As políticas públicas devem fortalecer a família, que é nosso alicerce maior”, pontuou Roberta Arraes (PSB). “Família pressupõe uma casa, por isso aproveito o tema para lembrar que é preciso que enfrentemos o déficit habitacional em nosso País”, disse ainda Rodrigo Novaes (PSD).

Fonte

Alepe.pe.gov.br

Pastor Cleiton Collins ressalta Semana da Bíblia

A passagem da Semana da Bíblia foi registrada pelo deputado Pastor Cleiton Collins (PP) em pronunciamento nesta quinta (7). O período antecede o Dia da Bíblia, celebrado no próximo domingo (10). “Acredito que uma semana ainda é pouco para a importância desse livro, que é o mais lido no mundo”, ressaltou. Segundo o parlamentar, como preparação para o Natal, o dia é celebrado há vários séculos em virtude de uma tradição europeia.

Na tribuna, o deputado também aproveitou para saudar o pastor Maluta e o grupo musical do Congo que veio a Pernambuco gravar um CD. “Quero parabenizá-los por escolherem o nosso Estado para fazer essa gravação. Para gente é um grande orgulho”, frisou.

Fonte

Alepe.pe.gov.br

Pastor Cleiton Collins se manifesta contra abordagem de questões de gênero nos currículos escolares

A possibilidade da inclusão de questões de gênero na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) foi criticada pelo deputado Pastor Cleiton Collins (PP), no Pequeno Expediente desta quarta (4). Para ele, o Ministério da Educação (MEC) não deve aceitar posicionamentos do Conselho Nacional de Educação (CNE) que sejam favoráveis a esse tipo de abordagem nas escolas.

O texto da base curricular está sendo discutido pelo CNE, em uma série de audiências públicas no País, e deve ser debatido pelo próprio conselho até dezembro deste ano.

“O que tem acontecido com relação a esse tema é que se vem tentando mudar o que é natural: quando um sujeito nasce homem, é homem, e quando nasce mulher, é mulher. É um absurdo que professores queiram impor essas questões na sala de aula”, declarou o parlamentar.

“Vamos nos reunir com o ministro da Educação para tratar desse assunto. Não pararemos de lutar para impedir que professores desrespeitem nossas crianças e afetem o bem-estar das famílias”, afirmou Cleiton Collins.

Fonte

Alepe.pe.gov.br